de actualidad
foto Ignacio González
►ANTÓNIO LUÍS CATARINO 
Votacion: 
No hay votos
0

Feira do livro de Madrid, pois sim

"Falar de Saramago ou de Lobo Antunes é importante, mas constituí um tema batido..."

Acceda a todos os contidos da última edición do suplemento 'Táboa Redonda'

UMA PEQUENA notícia e opinião divulgadas por um dos grandes defensores da língua portuguesa, Fernando Venâncio, chamou-me a atenção para o que se terá passado na Feira do Livro de Madrid onde Portugal era, este ano, o país convidado. Li, pois, o artigo do suplemento digital El Cultural, de 19 de junho, da responsabilidade de Martín López Vega. Devo dizer que estou de acordo com a sua crítica quando revela a oportunidade perdida em divulgar a literatura "Falar de Saramago ou de Lobo Antunes é importante, mas constituí um tema batido..." e a poesia portuguesas em Madrid. Já lá vamos. Não concordo muito, mesmo nada, é com a sua afirmação sobre Valter Hugo. Mãe quando escreve que é um autor português contemporâneo de "una calidad literaria incuestionable". Não questiono que ele seja um autor, um português ou mesmo um contemporâneo, mas caramba!, de "calidad incuestionable"? Ou, ainda, do momento "dulce" por que passa a nossa literatura. Bom, afirmações polémicas, mas adiante. Se assim foi, como Martín López Vega diz, a presença portuguesa traduziu-se numa lástima. Reparem: a polémica inicia-se com o falar em português em mesas-redondas para um público maioritariamente castelhano, apontando o caso de Eduardo Lourenço. Porque se trata de um pensador, por vezes denso, mas com um grande conhecimento do "ser português" –seja lá o que isso for!– era necessário que ele atendesse às sonoridades próprias da língua, às pequenas nuances, irónicas ou não, que um estrangeiro não tem de perceber. Fui, entretanto, ao site da Feira do Livro de Madrid e, de facto, a imagem de Portugal sai de lá como Martín López Vega a descreveu. Parecia um postal turístico de... Lisboa! Se havia pastéis de nata, ou água mineral e cerejas do Fundão, nada de mal, mas éramos, ou não, um país convidado para uma Feira do Livro da capital espanhola? Falar de Saramago ou de Lobo Antunes é importante, mas constituí um tema batido, tal como o sabor ressequido de um pastel de nata ao calor tórrido de Madrid. Poderíamos ter feito mais por dar a conhecer autores, esses sim de qualidade literária inquestionável e sabedores da querida alma sofrida portuguesa, como Mário de Carvalho, Mário Cláudio, Maria Velho da Costa, Maria Teresa Horta, Ana Margarida de Carvalho, José Cardoso Pires, Frederico Lourenço, Vasco Graça Moura, José Tolentino Mendonça, O’Neill, Sophia de Mello Breyner Andresen, Manuel António Pina, Ruy Belo, Herberto Helder, Mário Cesariny ou Natália Correia. E tantos, tantos outros que espero dar vida neste espaço. Quanto aos "contemporâneos" bem suportados por editoras/promotoras de grandes egos, haverá tempo de os ver voar. Não sei bem para onde, mas terão destino garantido, certamente.

Comentarios

fotoLos comentarios enviados fuera del horario de moderación, serán aprobados al día siguiente.

Serán borrados los comentarios que contengan insultos y/o contenidos inadecuados. Para cualquier duda, consulta la guía de comentarios.